Cabalas e “teorias da conspiração”

Aquilo que nós, os que vivemos (essencialmente), no Grande Porto (não confundir a geografia com o clube), já dizemos há muitos anos, sobre o clima de Máfia organizada, que por aqui se vive, a cada dia que passa mostra mais um tentáculo.

Só o mais puro dos inocentes (ignorante por desconhecimento) ou dos burros (quer fazer-se passar por ignorante) é que acha que as coisas funcionam de forma diferente. E aqui, quem quer ser gente, tem de se aliar ao mafioso mór. Sejam eles presidentes da Liga ou presidentes de clubes ou até mesmo de Câmaras Municipais. O único fenómeno por explicar, é o do Rui Rio (que presumo que tenha as costas muito quentes). É caso único e digno de estudo.

De resto, desde Valentins, a Meneses, passando por Narcisos, entre outros, sempre tiveram de prestar vassalagem a sua santidade.

E tal como eu já tinha dito há uns posts atrás, sobre quem está no controlo das instituições ou cargos “chave”, é tudo teoria da conspiração… para alguns, para os burros. Mais uma vez a realidade prova-nos o que continuaremos a dizer. Desta vez, é com o já galardoado filme “O estranho caso do Apito Dourado“. O filme pode ser visto num qualquer youtube perto de si, já os prémios, esses é que estão com uma série de problemas de secretaria para serem entregues. Ao que parece ninguém quer reclamar o prémio a que tem direito e estão a deixar passar, para ver se toda a gente se esquece.

Ontem, na RTP, o caso de estudo, perdão Rui Rio, dizia, e muito bem (e eu nem sou da côr dele), que faria a austeridade de forma diferente, e que apostaria com muita força, na Justiça e na Solidariedade, pois só assim, o povo poderá ver que o Governo está preocupado com ele. Se não disse desta forma, foi, pelo menos isto que ele transmitiu.

Dou-lhe toda a razão, neste país sem rei nem ró, temos uma justiça de merda ao qual só se equipara o nível de solidariedade, que ao contrário do que muitos tentam pintar, o povo português já não é solidário há muito tempo, o povo português é oportunista e interesseiro.

E o único motivo pelo qual contribui para o banco alimentar contra a fome, ou dá uma moeda ao sem pedinte, é numa tentativa de confissão e de libertar a alma dos pecados. O português não dá moeda porque é solidário, dá moeda, porque não quer que aquele sujeito(a) o continue a chatear. Nem dá o saco de arroz, por vontade, dá-o para depois poder dizer ao pedinte, que já deu sacos de arroz para que ele possa ir comer. Por isso, continuo a dizer que temos o país que construímos. E a justiça só interessa quando temos alguma coisa a ganhar, directa ou indirectamente, tirando isso, a justiça é uma merda.

O conselho de disciplina dos funcionários judiciais abriu um inquérito, a pedido do Conselho Superio da Magistratura, para investigar o que se passou na secretaria do Tribunal da Relação do Porto que fez com que o processo principal do Apito Dourado – em que é arguido Valentim Loureiro, entre outros – ficasse um ano parado, de forma «anómala». A consequência é que os crimes de corrupção desportiva estão a prescrever e os 11 arguidos condenados ficarão impunes.

As participações disciplinares foram feitas há um mês pelo presidente da Relação do Porto, José Sousa Lameira, e pelo procurador-distrital, Alberto Pinto Nogueira. Num despacho no processo, este exigiu que a secretaria dê explicações sobre o sucedido, que «conduziu ao objectivo atraso de mais de 11 meses na tramitação destes autos».

Já Sousa Lameira disse ao SOL que «o processo teve diversas vicissitudes que foram comunicadas ao Conselho Superior da Magistratura» (CSM).

O chefe de gabinete do vice-presidente do CSM informou ontem o SOL que as participações foram enviadas ao Conselho de Oficiais de Justiça, órgão disciplinar dos funcionários. A decisão que este tomar poderá ser avocada pelo CSM.

O caso Apito Dourado começou em 2003, numa investigação do Ministério Público (MP) e da Polícia Judiciária de Gondomar, coordenada pelo procurador Carlos Teixeira, sobre centenas de crimes de corrupção, envolvendo dirigentes desportivos e árbitros. A investigação deu origem a cerca de 70 inquéritos em todo o país.

O processo principal, contra 24 arguidos, decorreu em Gondomar: o MP deduziu acusação em Janeiro de 2006 e um ano depois houve despacho de pronúncia. Após julgamento, foram condenados, em 18 de Julho de 2008, 13 arguidos, entre os quais Valentim Loureiro (presidente da Câmara de Gondomar e líder da Liga Portuguesa de Futebol à data dos factos), Pinto de Sousa (ex-presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol) e José Luís Oliveira (vice de_Valentim na Câmara de Gondomar e presidente do clube local).

Em Março de 2010, após recursos, a Relação do Porto confirmou genericamente as condenações. Valentim Loureiro foi condenado a perda de mandato e três anos e dois meses de prisão (pena suspensa, por igual período), por crimes de abuso de poder e prevaricação. Já José Luís Oliveira foi condenado a três anos de prisão (pena igualmente suspensa), por abuso de poder e corrupção desportiva, e Pinto de Sousa a dois anos e três meses de prisão (suspensa), por abuso de poder.

Os arguidos recorreram novamente na Relação, suscitando erros e pedindo a aclaração do acórdão condenatório. Ao mesmo tempo, Pinto de Sousa e Valentim Loureiro apresentaram recursos para o Constitucional.

A Relação indeferiu todas as reclamações, em acórdão de Janeiro de 2011. Só que nem o MP no processo, nem os arguidos foram notificados deste acórdão. De forma inexplicável, tal só veio a acontecer em 4 de Janeiro deste ano e depois de alguém ter dado conta do sucedido, em Dezembro passado. Pelo meio, também os recursos para o Constitucional não subiram a este tribunal.

 Factos ‘estranhamente anómalos’

Ou seja, durante um ano, o processo esteve formalmente a andar, mas parado de facto. Os recursos para o Constitucional só foram remetidos em 28 de Fevereiro (depois de notificados os arguidos do acórdão da Relação, em Janeiro).

«Trata-se de incidentes estranhamente anómalos num processo com as características do presente, mas que seria conveniente encontrarem cabal explicação, que se promove serem obtidas junto dos senhores funcionários encarregados da tramitação dos autos» – refere o procurador distrital do Porto, Pinto Nogueira, no já referido despacho no processo. «Requeremos, assim, que a secção explique, sem subterfúgios, as anomalias processuais referidas e sobretudo aquela em que actua como se o MP não existisse», acrescenta, referindo-se à falta de notificação ao MP.

Entretanto, José Luís Oliveira e Valentim Loureiro já suscitaram a prescrição dos crimes pelos quais foram condenados. Segundo fontes conhecedoras do processo, essa questão terá de ser analisada pelo Tribunal de Gondomar, mas só após o TC apreciar os recursos que agora lhe chegaram. in SOL

Falta agora saber com que intuito esta notícia é lançada, será que querem colocar o Tim Tim na cadeia de vez? Será que é apenas uma questão de se querer ver justiça. Neste país de cães, já não sei o que pensar. Afinal estamos, por um lado, a falar das mesmas jornalistas que foram constituídas arguidas no caso Face Oculta, por divulgarem o conteúdo das escutas a José Sócrates, mas por outro, a Felicia Cabrita participou na biografia do corrupto mór.

Até pelo passado de investigação, principalmente da Felicia Cabrita, quero acreditar que o único interesse desta notícia seja o de se fazer cumprir a justiça.

Anúncios

Etiquetas:

Opina para aí...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: